terça-feira, 8 de novembro de 2011

DIVISÃO CELULAR

Nos procariontes: ocorre a duplicação do cromossomo bacteriano e divisão da célula.
Nos eucariontes: mitose - ocorre em todas as células. Meiose - só em células germinativas.

I - MITOSE


FASES DA MITOSE

INTÉRFASE – período entre duas mitoses consecutivas, célula em aparente repouso, apenas exercendo suas funções vitais. Nesta fase ocorre duplicação do DNA três períodos:
G1 – antecede a duplicação do DNA;
S – ocorre a duplicação do DNA;
G2 – sucede a duplicação do DNA.

1)     Prófase: os cromossomos se individualizam, é a fase maior da mitose. Os cromossomos sofrem desespiralização, diminuem de tamanho e espessura, migram em direção ao equador da célula e aparecem as fibras do fuso acromático. Desparecem a carioteca e o nucléolo. Os centríolos encontram-se nos pólos celulares e aos seu redor forma-se um conjunto de fibras radiais chamado áster.
2)     Metáfase: cromossomos na placa equatorial. Os cromossomos chegam ao equador da célula constituindo a placa equatorial e atingem o grau máximo de espiralização (individualização).
3)     Anáfase: cromossomos migrando para os pólos da célula, é a fase mais rápida da mitose. Ocorre o rompimento do centrômero surgindo os cromossomos filhos, os quais migram para os pólos da célula.
4)     Telófase: individualizam-se os novos núcleos e o citoplasma se divide ao meio. Os cromossomos estão polarizados e sofrem desespiralização. Desaparecem as fibras do fuso acromático e reaparecem a carioteca e o nucléolo. Ocorre o fim da cariocinese (divisão nuclear) e inicia a citocinese (divisão citoplasmática).

II - MEIOSE

Divisão celular que permite células diplóides originarem células haplóides, com recombinação gênica.
Importância: fundamental para os seres de reprodução sexuada, tornando possível manter constante o número de cromossomos das espécies. Senão este número duplicaria a cada geração.
Compreende duas divisões seguidas: primeira reducional - a célula diplóide origina duas células haplóides, e a segunda equacional - cada célula-filha, haplóide, origina mais duas novas células igualmente haplóides.
            A meiose pode ser: final ou gamética, como se passa com a maioria dos organismos (inclusive a espécie humana); Inicial ou zigótica, como ocorre com certas algas; Intermediária ou espórica, como podemos assistir com briófitas e pteridófitas.


FASES DA MEIOSE

Prófase I: enquanto na mitose separam-se as cromátides-irmãs nesta fase, na meiose separam-se as cromátides homólogas, e o processo todo constitui-se de cinco etapas distintas que são:
a.      Leptóteno – filamentos finos;
b.      Zigóteno – filamentos unidos, pareados;
c.      Paquíteno – filamento grosso, existem quatro cromátides, inicia o crossing-over, fenômeno de permutação gênica;
d.      Diplóteno – filamento duplo, inicia-se uma repulsão entre os homólogos, visualiza-se pontos de contato e permutação denominados quiásmas.
e.      Diacinese – movimento de terminalização dos quiásmas.
Ao final da Prófase I os cromossomos estão espiralizados, forma-se o fuso acromático e desaparecem o nucléolo e a carioteca.

            Durante a Metáfase I, Anáfase I e Telófase I, ocorrem processos semelhantes aos da Mitose, porém, após a citocinese, formam-se duas células, cada uma com um cromossomo homólogo de cada par. Estas células são haplóides (n).
Na Meiose I os cromossomos permanecem duplicados. A separação de suas cromátides ocorrerá na sua próxima divisão.
Inicia novamente a Prófase II, Metáfase II, Anáfase II e Telófase II, como na Mitose, porém, ao final da Meiose II, resultarão quatro células haplóides cromossomicamente semelhantes, mas geneticamente diferentes, devido à recombinação gênica do Crossing-over.